por F. Morais Gomes

21
Jun 12

O arrastar dos pés amparados pela muleta ampliava o som no velho salão agora restaurado. À beira de completar noventa e sete anos, D. Georgina fizera questão de invadir o passado, visitando o teatro da sua infância que o povo de Galamares em boa hora restaurara, e que daí a três dias voltaria a ver gente, vida, cor.

Pequena de oito anos, num longínquo de Verão de 1923 ali escutara o som mágico dum piano que um senhor grave com óculos de massa dedilhava qual sortilégio, e que, enrolada na saia da mãe, observava entre a estupefacção e a alegria.

Recordava agora esse momento e o senhor do piano, o seu olhar absorto, dedos férreos, tez altiva. Na pequena sala, as mesmas pinturas campestres inglesas e o tecto de flores em papel estampado, ecoavam os acordes cristalinos dum piano solitário, voz obediente a seu mestre e criador.

Viana da Mota, assim se chamava o senhor de óculos, ensaiava para um concerto em Galamares, no cineteatro que em boa hora o Visconde de Monserrate mandara erigir, pequena ilha numa floresta de palácios altivos e férteis pomares, concerto de angariação de verbas para a electrificação da estrada até Colares. Pedira a comissão de melhoramentos, e com prazer anuíra.

Já à beira dos sessenta e cinco, sempre tivera Sintra no coração. Desfiando aquele piano com o transe próprio dum profundo apaixonado, ensaiava a sós o concerto que essa noite tocaria a favor dessa luz tão necessária ao progresso.

Brincando com as notas, familiares e cúmplices, recordava os anos já longínquos em que vindo duma roça nos trópicos aportara a essa Colares húmida e silenciosa, palco de pescarias no rio da sua infância. Os primeiros concertos no Salão da Trindade, jovem e aplaudida promessa da música. E acima de tudo, a felicidade daquele dia em que a doce condessa Elise lhe anunciou a vontade de pagar os estudos com Scharwenka, em Berlim.

Nunca esqueceria a emoção desse encontro no chalé de cortiça na Pena, e mais tarde da récita, onde jovem executante, perante D. Fernando, a condessa d’Edla e convidados, tocara pela primeira vez  “Au bord du lac de Pena”, que compôs em sua homenagem. Gratidão de artista paga-se com arte, pensou.

Pela tarde, e sob o olhar surpreso da pequena Georgina, chegou entretanto o gerador da Sintra- Atlântico, para iluminar a sala para o concerto, que as famílias abastadas amavelmente pagariam. Viana da Mota ensaiou então andamentos mais exaltados, levado pelo eco da sala ainda vazia.

Escolheu as “Cenas da Montanha” para abertura, o von Bullow sempre lhe dissera que era um dos seus temas mais conseguidos, partes da “Evocação dos Lusíadas”a seguir. No fim, se a luz não falhasse, “A Pátria”, a sua imagem de marca, que o visconde sublimemente apreciava e a plateia quase sempre reclamava.

Era 15 de Setembro de 1923, o Outono afastava já os veraneantes para a capital, havia risco de não encher, disseram. Viana da Mota adorava o desafio, porém. Que viessem dois mas bons em vez de trinta a bocejar.

A sala encheu, afinal, senhores de fato impecável, senhoras com os melhores chapéus, Georgina com os pais, empregados da casa Monserrate, os homens da Sintra-Atlântico, a cultura juntando-se ao progresso. Cumprimentos, vénias, Guilherme Oram, o feitor, verificando os pormenores, as tosses da praxe, a função.

Saudando com uma simples vénia, José Viana da Mota saboreou o silêncio expectante que sempre antecede os recitais, e depois dum momento sepulcral, qual guerreiro alucinado de espada em riste esperando a fera desafiadora, espalhou o néctar inebriante de melodias redentoras sobre aquele cineteatro ufano e orgulhoso, São Carlos de aldeia, mas nem por isso menos vibrante e atento. Toda a família do visconde assistia, Eduardo Gaio e esposa, também pianista amadora, os Farias, da casa do visconde, bombeiros, autoridades. Algum povo, desconfiado e distante não deixava de espreitar ou ouvir no exterior.

Nessa noite mágica e luminosa, os tordos na serra fizeram silêncio, os sapos abafaram o coaxar, o som hipnotizado e hipnotizador do piano  mágico atravessou o vale e Monserrate,  agitando as acácias, amenizando  as almas .Galamares, por umas horas, ganhava o seu pedaço de paraíso,

Lá longe, em Lisboa, já para lá dos oitenta, a velha condessa d’Edla tomava chá, e sorria, como se o som daquele concerto dum tímido rapaz que um dia mandara para Berlim lhe chegasse perfumado pela brisa da noite. E Georgina, perfumada pela música daquele feiticeiro senhor dos teclados, transportou por toda a vida o som mágico do salão, mesmo quando a incúria o apagou e sombras sobre o seu destino caíram cruéis.

Viana da Motta entrou para a lenda, Georgina criou filhos e netos, e bisnetos, hoje já homens. O salão de Galamares esse, desperta da agonia, e quem sabe, outros pianistas ali renovem o chilrear da serra fluindo dolente na beleza dum teclado.

publicado por Fernando Morais Gomes às 13:32

Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
22
23

24
25
26
27
28
29
30


subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO