por F. Morais Gomes

13
Fev 11

Faça chuva ou faça sol, há dez anos que os dois professores , já aposentados ,rotineiramente se encontram pela manhã para uma bica e uma queijada, habitual tertúlia no parlamento do povo que é o café do Leónidas. Horácio Sarzedas, dado à elucubração e debate, invariavelmente puxando do seu cachimbo e fazendo as palavras cruzadas, já o Jorge Pimpão, antigo professor de Desenho mais atento à pagina dos mexericos e fait-divers, maroto cobiçando o poster central  dos jornais de fim de semana.

Pela manhã  de domingo, mais uma rotineira bica  cheia para o Pimpão, café simples,com adoçante, para o Horácio, o Pimpão abrindo as hostilidades:

-Então diz-me lá,meu caro, que estás tu a achar do Sócrates?

-Eh pá, o Sócrates quanto a mim  ainda estou a estudá-lo. Acho que não valoriza muito os sentimentos, é mais pelas ideias, embora ache que aí não se deve levar muito à letra. - sentenciou o Horácio-O que eu acho é que num primeiro momento ele leva os interlocutores a pôr em causa as suas próprias concepções acerca de algum assunto; depois, condu-los a uma nova perspectiva acerca do tema em questão. Daí que perante o questionamento das pessoas, o Sócrates  questiona os seus preconceitos acerca dos assuntos, conduzindo a novas ideias acerca do tema em discussão, as dele- perorava, ufano,baforada do cachimbo sala fora, no Leónidas pode-se fumar.

-Mas as  convicções  dele deixam-me muito a desejar, Horácio, pelo que leio…

-Acredita, Jorge, a minha leitura é a seguinte: as crenças do Sócrates, em comparação com os seus antecessores e correligionários são difíceis de discernir, ele sempre foi moral e intelectualmente diferente de outros do seu tempo. Vê bem, quando foi acusado na praça pública, usou os seus métodos para demonstrar as posições erradas dos seus detractores. Acha  do que li dele que sempre acreditou que recebeu uma missão especial  ou divina para prosseguir a sua obra.

-Lá isso é verdade: ele acredita, quanto a mim que a excelência moral é uma questão de inspiração e não de parentesco ou compadrio. Isso talvez tenha sido a causa de não ter se importado muito com o futuro dos seus filhos e concidadãos- acrescentou o Pimpão, passando os olhos pela foto da Eva Longoria, de página inteira.

-A intenção dele era levar as pessoas a sentirem-se ignorantes de tanto perguntar, problematizando sobre conceitos em que as pessoas tinham dogmas.- continuou  Horácio, professoral -Aliás, de tanto questionar muita gente, sobretudo os supostos sábios, começou a ganhar inimigos. Sócrates sempre acreditou  que até ao relacionar-se com o parlamento  estaria a ser hipócrita.

-Mas isso não fez dele um déspota antidemocrático?

-A minha leitura-continuou, refastelando-se agora na cadeira- é a de que ele abandonou a preocupação em explicar -se e concentrou-se  nos problemas concretos. No entanto, envolveu-se em polémicas profundas, pois enquanto os opositores sempre procuraram fazer polémica com as suas posições sobre o bem e a justiça ele sempre trabalhou com dados, a partir dos dados empíricos, sem se preocupar com a investigação da essência das coisas, da justiça ou do bem e a partir da qual a própria realidade pudesse ser avaliada.

-Ainda se estivesse bem rodeado….

-E estava, era vasto o grupo de discípulos e amigos,Jorge, vê bem, o Platão,o  Alcibíades, Xenofonte, o Antístenes…

-O quê?- Pimpão , sorrindo atalhava agora o inspirado e tagarela interlocutor. –Mas não é desse Sócrates que estou a falar é do primeiro-ministro,o José, o do Magalhães e do TGV!- e largou uma gargalhada, puxando da carteira para pagar e ir até Sintra.

Horácio parecia agora irritado por lhe terem interrompido o discurso e amuado levantou-se também para ir até ao almoço, trivialidades de política doméstica não eram consigo, antes  reler a República de Platão no varandim do Angra ao fim da tarde. Já à porta, o Pimpão ainda ironizou:

-Cuidado com o almoço, Horácio, em vez dum tinto de Colares não bebas alguma cicuta por engano, como o outro,é mau para as hemorróidas! E saiu a almoçar. O Leónidas coçando a orelha  veio do balcão  levantar a mesa e ainda comentou com a velha Alice,que terminava o chá preto, achando-os "apanhados" do clima:

-Isto há cada uma!...Digo-lhe uma coisa, amiga Alice, só sei que nada sei!!- desabafou,recolhendo o jornal e as chávenas.


publicado por Fernando Morais Gomes às 14:06

Fevereiro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9

14




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO