por F. Morais Gomes

24
Jul 11

Peste e sedição assolavam o Reino nos fins de 1382 quando João das Regras, doutor em Leis e brilhante discípulo de Bártolo, regressou a Portugal, aboletando-se em casa do padrasto, o velho Álvaro Pais, antigo chanceler, agora padecendo de gota. D.Fernando finava-se, a rainha Leonor passava por barregã de Andeiro, conde de Ourém, a princesa Beatriz, de apenas seis anos, contraíra casamento com o rei de Castela, iam agitados os tempos em Lisboa, João pensava se melhor não seria ter-se ficado por Bolonha.

O padrasto, moribundo, empenhava-se na perda de Leonor Teles, perigava o trono com os intentos de sucessão de D.João de Castela, a que acresciam as pretensões dos filhos de Inês de Castro, Álvaro Pais, velho português, apoiava para o lugar o discreto Mestre de Avis, filho de D.Pedro, mas bastardo de Teresa Lourenço. Ainda em 1383, na sua torre de Lisboa Álvaro convencera o irmão de Leonor, Afonso Telo a conspirar contra Andeiro, e por essa via contra a irmã, na sua casa, além de João se reuniam Rui Pereira, tio de Nun’Álvares, João Esteves de Azambuja e Martim Afonso da Maia. Primeiro passo: convencer o Mestre a matar o Andeiro, que por completo manietava a rainha Leonor, no paço e na alcova. Indeciso e receoso, o jovem mestre apresentou-se a Leonor Teles, a viúva recebeu-o, Andeiro estava na sala. Titubeante, ainda receou, mas cruel o punhal de D.João tirou a vida da erva daninha, saudado na rua pela turba, que a invectivava como adúltera e bandeada com os de Castela.

João das Regras manteve-se distante, recém-chegado de Bolonha, idoso e manco mais ágil parecia Álvaro Pais, empenhado em impedir o cada vez maior jugo castelhano. Depois de morto o Andeiro, juntou o povo no Rossio, aclamando o partido do Mestre,  doente,  propusera até a Leonor Teles o enlace com o Mestre  para evitar um conflito. Retirada para Alenquer, Leonor repudiou-lhe as ideias, Beatriz seria rainha e ela regente, o mestre, pusilânime queria sair para Inglaterra. Morto D.Fernando o reino parecia a ferro e fogo, com os nobres torcendo por Castela e por D.Beatriz, a herdeira de sangue, só frei João, o santo eremita  a pedido de Álvaro Pais impediu D.João de partir de vez, assustado.

Havia que repor a ordem. João das Regras, mais sereno que o padrasto, sugeria a imposição da lei, um governo rebelde foi então criado sob sua direcção, brilhante jurista e estrangeirado. O arcebispo de Braga, também homem de leis, Rui Pereira, João Gil e Martim Afonso da Maia compunham o grupo, o inglês Percival substituía D.Judas na guarda do Tesouro. O rei de Castela espreitava porém, e entrado pela Guarda veio reclamar os direitos da esposa. Desentendendo-se com Leonor Teles, enviou-a para Tordesilhas, donde mais não saiu. Lisboa resistia, contudo, durante meses pôs cerco à cidade, só o alastrar da peste negra provocou a debandada castelhana.

Quase dois anos haviam passado desde que D.Fernando se finara e o Reino permanecia em sobressalto, Nun’Álvares no Alentejo repelia os de Castela, herói da peonagem nos Atoleiros, impacientava-se com a delonga em colocar o Mestre no trono. Decidido, João das Regras entendeu então chegado o momento de reunir as Cortes, seriam em Coimbra, em Março desse ano de 1385

O Mestre chegou já rei na vontade do povo e dos homens dos ofícios, também o clero estava por ele, apoiante de Urbano VI, que ocupava o trono de Roma, ao invés do rei de Castela, que seguia Clemente VII, o anti-papa de Avignon. Mais renitente estava a nobreza, o senhor de Sintra, Henrique Manoel de Vilhena e outros tomaram partido por D. Beatriz, também o alcaide de Coimbra  os Vasques, senhores da Beira, os Melos optavam por tal solução. Era a vez de João, o homem de Leis, alto, magro, envergando a loba negra dos letrados entrar em cena. Duravam as sessões atribuladas um mês já quando finalmente usou da palavra, Coimbra calou-se para ouvir o discípulo de Baldo:

-Nobres procuradores, eminências, venerandos alcaides, supõem muitos nesta sala não existirem herdeiros do trono de Portugal. Há-os, e muitos! A dificuldade é escolher um entre tantos!- João fez silêncio e depois de um compasso, olhando a assistência continuou:

-O primeiro é El-Rei de Castela!- A sala ficou gelada, como podia o enteado de Álvaro Pais, defensor do Mestre, ter tal ousadia, com o povo todo contra os castelhanos? Sagaz, seguindo o seu plano, João das Regras continuou:

-El-rei de Castela é co-irmão do amado e defunto rei D.Fernando, e legítimo esposo de sua filha, a infanta D.Beatriz, e logo também ele co-herdeiro, dada a menoridade da dita senhora. Também os infantes D.João e D.Dinis, filhos de el-rei D.Pedro e da senhora D.Inês de Castro são de estirpe real. São quatro pois os putativos candidatos. E, ironicamente, o reino sem rei, eminentes procuradores! Com tantos herdeiros, e tão dignos, qual deles deve cingir a coroa de Portugal, segundo as regras do bom Direito? Para vos poupar trabalhos, vos digo, nobres procuradores, estão vagos estes reinos, e nenhum dos que nomeei os pode herdar!. A sala permanecia em silêncio, o Mestre, num canto, nada dizia, embevecido com a eloquência de João. Demolidor e certeiro, a sentença não tardou:

-Nulo é o casamento d’el-rei D. Fernando e de D. Leonor Teles, por ser ela anteriormente casada e serem ambos parentes. E assim fenecem de lei os direitos de D. Beatriz e de Sua Majestade o rei de Castela, seu esposo. O qual, repudiando a sagrada autoridade do Santo Padre Urbano, se tornou herege, ameaçando estender a excomunhão a este reino, se porventura de Direito o herdar. Restam, contudo, os infantes D. João e D. Dinis, filhos do saudoso rei D. Pedro e da malograda D. Inês. Também aqui subsistem dificuldades. Se é certo que D. Pedro sempre alegou a seu pai ter casado em vida com a dita senhora, onde foi tal união celebrada? Que provas há que tal enlace tenha ocorrido? - na assistência, Diogo Lopes Pacheco, um dos carrascos de Inês anos antes e entretanto reabilitado, já velho, assentava com a cabeça, apoiava agora o Mestre de Avis.- Em que dia, em que sé, quem foram as testemunhas? Não, meus senhores, nada existe, pois nunca foi celebrado semelhante casamento! E mesmo a ter ocorrido, tantos seriam os impedimentos que nunca o Santo Padre o poderia validar!. São pois bastardos e naturais os filhos d’el-rei D. Pedro!

A sala estava perplexa, D. Lourenço Vicente, o arcebispo de Braga exultava, também ele um homem de Bolonha, alguns procuradores do Porto esbracejavam, ante o impasse. João das Regras, tecendo o seu novelo, nada mais disse, a sessão terminou ali, para só ser reatada passados dias.O plano urdido fazia o seu caminho.

Na reabertura das Cortes, trazia um maço com provas: uma carta de D. Pedro ao Papa pedindo para desposar Inês, a que este nunca respondera.Provas de que os filhos de Inês haviam pegado em armas contra o Reino, contra ele se colocando. Achando o momento propício, qual Cícero no Senado romano, João atirou o laço com que em definitivo arrebataria a assembleia:

-Venerados procuradores, quebremos o impasse que tanto trás em cuidados este Reino e aclamemos pois como nosso rei aquele que cumpre aclamar, para não cairmos na sujeição dos nossos inimigos e heréticos! Aclamemos como rei a D. João, mestre de Avis, filho natural do falecido senhor D. Pedro, defensor e regedor deste Reino!

A sala, rendida, levantou-se e gritou arraial pelo novo rei, rei do povo alçado pela rua, em chusma e ruidosos correram ao paço onde nesse dia se encontrava e ali mesmo lhe conferiram a dignidade régia. O Reino ganhava um rei, o povo, um comandante, os sinos, ruidosos, repicaram em todas as igrejas. Satisfeito e muito saudado, João das Regras fora nesses dias pela palavra a espada da lei e a voz da razão. Atacado pela gota, em Lisboa, o velho Álvaro Pais, ausente de Coimbra, regozijava-se, orgulhoso do enteado e esperançoso no novo monarca. Por muito tempo ainda, e apesar de ainda irem falar as armas em Aljubarrota, o Reino de Portugal permaneceria em mãos portuguesas.

publicado por Fernando Morais Gomes às 01:05

Julho 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

12
13
15

23




Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO