por F. Morais Gomes

24
Set 11

Caminho. Caminho por Sintra, sabendo ter a serra sempre ao lado, milenar guardiã e larvar berço de lendas e histórias, cadinho de  mouros e cristãos, reis caçadores e intrusivos ingleses, que aí desaguando sonhos e dramas a moldaram, aristocrática e venal, feiticeira e soturna. E lamentando as chagas na pedra e o descuidado património, o renovado  espanto pela confortante descoberta do triunfo do verde, em presépio aninhando casas e palácios, fontes e miradouros.

Sintra tem ritmos e matizes, surpresas e ilusões. Suburbana na cacofónica Portela, de alunos para as escolas e funcionários para os serviços, senhoras para as compras e reformados para o jardim, e também de agrilhoados contribuintes arrastando-se para as Finanças, utentes esperando uma licença do urbanismo ou contando os tostões para pagar a água cortada pelos SMAS. Subo a rampa da Portela, fugindo da selva de intrusivos carros e denodados arrumadores, e desço ao burgo, deixando atrás os anzóis do Brancana e as apólices do Catarino, e a garagem, agora azul, depois dum passado negro, a Ideal e o prateado Faria. É a zona mista,  a fugir ao subúrbio e antes ainda da old town, já skaters invadem a Estefânea da Marrazes e Simões, boticários veteranos, do Tirol e Monserrate, seus cafés e galões, e dos chineses dos tupperwares e das pilhas, dos guarda-chuvas e velas. E dos bancos, torpes casas de usura, antro de predadores cobradores dos fracos.

O velho Carlos Manuel do povo fechou já, aristocrático vestiu roupa nova, casa de ópera e Cadaval na desaparecida plateia de filmes a cinco escudos, do John Wayne e Cantinflas. E também do teatro novo em Sintra, de Maria João Fontaínhas e Alvim, operários da cultura e das artes, em levado tempo em que se podia sonhar. Também o casino fechou,  sinuosa roleta o entregou em tempos a um coleccionador do vil metal, desnorteado esqueceu já velhos tempos e é pálido o amarelo das fachadas, fechadas hoje  a maior parte do tempo.

Volvo ao trilho da vila, chamado pelo silvar ventoso e perfumado do verde selva, a caminho, lá está burguesa a Correnteza, miradouro e varanda, parapeito de amores e de pombos, perto passa o comboio, do Larmanjat ninguém já lembra, ondulante e inseguro. Como sempre, chegam turistas e mirones, gentes e vidas, a descobrir o éden terreal. E estrada abaixo, respirando fundo, sulco o Vale da Raposa, saudando os familiares passantes, rostos de muitos anos, baptizados e funerais, festas do cabo e da vila, cúmplices envelhecendo com a serra sempre ao lado, previsivelmente fria no Inverno e também fresca no Verão, o verão de Sintra, cacimbado e nebuloso.

Aproximo-me do burgo ao som cadente dos cavalos, pretérita lembrança de reis e burgueses, dos Maias e Calisto Elói, do Garrett e do Zé Alfredo, de Anjos Teixeira e M.S.Lourenço. Vernacular, o torreal município é sua porta de entrada e fronteira, e o leão de pedra o guardião, palpitantes, aceleram-me os sentidos à vista da miríade encantada, a curva do Duche e o odor canelado da Sapa, o Valenças e as solarengas mansões , a água jorrando cristalina da  exótica fonte mourisca. E o Grande Maior, da feiticeira Llansol, as camélias de Nunes Claro, e o fantasma a cavalo do Carvalho da Pena, guardião do Jardim, à noite solitário patrulhando as veredas,  druida da serra e dos lagos.

Ofegante chego enfim à vila, refúgio da utopia e altar sagrado de poetas, lusitano reino dum palpável Parnasso. Não os vejo, mas ouço, rostos da Sintra de hoje, ouço a Maria Almira, o Rui Mário, o Jorge Menezes, jovens e generosos actores de várias gerações, danças medievais e bailes das camélias, os vitoriosos patins do hockey de Raio e Cipriano. E guloso, mergulho nos segredos do açúcar, das Periquitas e Sapas, dos Gregórios e Matildes, orgia do paladar à sombra tutelar do Paço.

Apurados os sentidos, esperguiço-me na escadaria, e hipnotizado fixo o castelo, invisíveis ogres lançam caldeirões de azeite e catalépticas bruxas invadem a noite em vassouras, invisíveis, lancinantes, chegam a mim os passos de Afonso VI prisioneiro, e o ecoar das festas joaninas, um amargurado Camões lendo para um jovem rei alucinado, e a condessa d’Edla e Viana da Mota, acorrendo ao repicar festivo do sino em S. Martinho.

Invisíveis faunos e visíveis heróis, todos chegam à escadaria onde até ali matutei sozinho, a um chamamento prestes tomam lugar no camarote dos tempos, incensados e perdidos, esperançosos e idealistas. Sintrenses. E a serra e o castelo, as chaminés e as fontes, em eterna reconciliação, a todos abraçam no grande festim da noite, à sombra segura da argêntea Lua.

publicado por Fernando Morais Gomes às 21:07

Revejo-me nisto tudo
Anónimo a 25 de Setembro de 2011 às 00:12

Quando escreve: "... reformados para o jardim...", não quereria dizer drogados?
Anónimo a 25 de Setembro de 2011 às 21:38

Que belo texto! Como revi todos esses lugares todos que tanto palmilhei! Vivi em Sintra durante 16 anos. 16 blos anos! Mas já foi há muito.
Gostei muito desste texto. E de outros que fui lendo "pelo caminho"...
Hei de voltar.
Obrigada.
graça sampaio a 1 de Outubro de 2011 às 23:29

Setembro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

15
17

22

25
27
28


mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO